POLUIÇÃO SONORA – AGRESSÃO AMBIENTAL QUE NÃO DEIXA RESÍDUOS, MAS EFEITOS NOCIVOS E PREJUÍZOS IRREVERSÍVEIS.

O crescimento populacional, a ocupação e o uso indevido e sem planejamento dos espaços urbanos tem comprometido a qualidade de vida nas grandes cidades em vários aspectos, inclusive neste que é preocupante, a poluição sonora.

 

Algumas informações merecem ser divulgadas porque danos podem estar ocorrendo sem serem notados. Efeitos da exposição contínua a ruídos acima de 85 decibéis podem ser nocivos à saúde e causar danos à audição, ocasionar efeitos psicológicos, neurológicos, cefaleia e até mesmo insônia com sintomas paralelos de cansaço, fadiga, ansiedade, irritabilidade e stress.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o nível que não causa incômodo à audição humana é até 50 decibéis. Secretaria do Meio Ambiente dos municípios é o órgão responsável pelo controle da poluição sonora. Mas isso não isenta a responsabilidade do profissional de design de interiores e ambientes de buscar medidas alternativas em seus projetos em locais que necessitam destas intervenções.

 

A norma NBR 10 152 foi atualizada, em 2017, e publicada com o título: “Acústica – Níveis de Pressão Sonora em Ambientes Internos a Edificações”. Estabelece os procedimentos técnicos aplicáveis para medições dos níveis de pressão sonora, determinação do nível sonoro representativo, e a avaliação sonora dos ambientes internos a partir da comparação dos resultados obtidos com os valores de referência indicados.

 

As barreiras acústicas urbanas são elementos construtivos fechados e densos inseridos em áreas que geram altos níveis de ruído para evitar a propagação indiscriminada para outras zonas da cidade. A utilização destas barreiras acústicas é adotada em vários países aonde a permanência destes dispositivos urbanos é duradoura e eficaz. No Brasil a cultura de preservação das cidades como um “Bem Comum” deixa bastante a desejar, e infelizmente o vandalismo ainda é muito presente.

 

No post anterior, foi tratado como utilizar a vegetação no favorecimento do conforto térmico

do ambiente urbano, no entorno da edificação e dentro dos ambientes. Neste, ao tratar de ruído e poluição sonora, pode-se atribuir à vegetação, como elemento de absorção e controle do ruído excessivo, a uma das medidas que ajudam na minimização destes impactos.

 

Estas barreiras naturais, como massas vegetativas com vegetação de portes e tipos variados, árvores enfileiradas, formam, inegavelmente, um elemento paisagístico urbano expressivo, entretanto sua eficiência como bloqueio natural às ondas de som é questionável. Contribuem, mas não se deve superestimar este benefício porque estas barreiras naturais são como barreiras de elementos vazados que não resolvem satisfatoriamente o bloqueio pretendido.

 

Os recursos para o interior dos ambientes, além dos propostos com a utilização da vegetação são os materiais de revestimento, teto, piso e paredes. A considerar que em ambientes corporativos o ruído controlado está diretamente ligado à produtividade. Condicionadores de ar, aparelhos que precisam estar continuamente em atividade, conversas, telefones tudo contribuem para um ambiente desconfortável por excesso de ruídos. Em uma residência a soma dos ruídos dos eletrodomésticos pode interferir no ambiente doméstico. O ruído do entorno vizinhos residenciais, comerciais e serviços muitas vezes se torna um incômodo. O profissional de design de interiores e ambientes precisa estar atento a soluções satisfatórias das necessidades de barrar e controlar a poluição sonora que tende a crescer.

 

Assista o vídeo, a seguir, como complemento das informações disponibilizadas neste post.

 

 

  • Share post

Arquiteta e professora de Desenho Arquitetônico na Faculdade Tecnológica INAP de Design de Interiores. Larga experiência no mercado de trabalho com diversos projetos arquitetônicos edificados em BH. Pratica a docência com prazer e dedicação e tem ampliado sua abrangência de conteúdos no EAD - Ensino a Distancia - nas disciplinas de Conforto ambiental, Núcleo de Projeto e outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *