SISTEMAS CONSTRUTIVOS, INÉRCIA TÉRMICA E ESTRATÉGIAS NO CONFORTO DE INTERIORES.

Das estratégias bioclimáticas proposta para a Zona Bioclimática 3, NBR 15575/2013, foram abordados os aspectos: orientação da insolação das edificações, sombreamento nas aberturas, vedações externas em paredes leves e refletoras, vedações internas pesadas em paredes de alta inércia térmica e cobertura leve e isolada.

 

Quanto às vedações externas, o que são “paredes leves e refletoras”?

Na região referida não está proposto isolamento térmico nas paredes externas, como em outras zonas muito frias ou muito quentes, mas apenas que sejam “leves e refletoras”. “Refletoras” são propriedades dos acabamentos externos que atuam na reflexão do fluxo solar, são revestimentos de superfície lisa, com tecnologias avançadas como as tintas térmicas desenvolvidas para este fim. Paredes “leves” são propriedades térmicas diretamente relacionada com a inercia térmica do componente construtivo.

 

A inércia térmica, de forma simples, pode ser explicada como a capacidade dos componentes construtivos de acumular calor, absortância térmica que, associada ao atraso térmico, retarda a transferência do calor externo para o interior dos ambientes. Estes componentes se comportam de forma a proporcionar o conforto térmico dos ambientes internos apesar das variações de temperatura externas.

 

O sistema construtivo onde as vedações externas apresentem uma menor inércia térmica. O LSF – Light Steel Framing é um sistema construtivo cujos elementos são painéis reticulados constituídos por perfis de aço formados a frio com revestimento metálico, de inercia térmica leve é muito difundido pelo mundo, mas ainda muito pouco utilizado no Brasil, corresponde a menos de 5% das edificações.

 

O sistema construtivo predominante, por aqui, é a alvenaria de tijolos cerâmicos ou blocos de concreto que formam as paredes externas e apresentam resistência térmicas conforme sua espessura e densidade, o aumento da massa resulta em uma maior redução da amplitude térmica dos ambientes internos, principalmente quando recebem alta radiação solar.

 

 

As vedações externas atuam conjuntamente com as vedações dos vãos externos que, por serem de materiais de inercia térmica diferentes, contribuem para o surgimento das pontes térmicas fragilizando todo o sistema térmico construtivo.

Cada elemento, separadamente deve receber tratamento térmico adequado no objetivo de todo o conjunto alcançar um satisfatório resultado.

 

Amplitude térmica diária é a grande variação existente entre as temperaturas no decorrer do dia. Esta variação é bastante percebida na região bioclimática em questão, baixas temperaturas na madrugada e altas no meio do dia, chegando a ser de aproximadamente 20° conforme a estação do ano. Por causa disto as vedações externas das edificações devem dificultar que esta amplitude térmica externa seja sentida em seu interior.

 

Quanto às vedações internas, o que são “paredes pesadas de alta inercia térmica”?

 

As paredes internas estão protegidas do fluxo solar direto, portanto, sendo pesadas em sua massa apresentam “alta inércia térmica”, absorvendo o calor na medida em que este se acumula

ao longo do dia e o liberando na medida em que a temperatura apresenta queda suficiente equilibrando assim o ambiente noturno.

 

Esta é a ideia, mas na realidade das nossas construções, as paredes internas sempre foram construídas com menor espessura e menor massa em sua composição, mesmo no sistema construtivo tradicional com tijolos cerâmico ou blocos.

 

O sistema construtivo drywall para paredes de vedação interna tem crescido em sua utilização no Brasil. Consiste em chapas de gesso galvanizado que permitem instalações elétricas e hidráulicas por meio do sistema de fixação a pólvora em tetos ou parafusadas em estruturas de perfis de aço galvanizado. As paredes de gesso acartonado são mais leves e com espessuras menores que as paredes de alvenaria e seus espaços vazios podem ser preenchidos com lã de vidro ou de rocha reforçando o isolamento térmico.

 

Quanto às coberturas, o que significa “leves e isoladas”?

 

O elemento da edificação que contribui diretamente para a alteração da temperatura interna dos ambientes é a cobertura, pois se trata do componente construtivo mais exposto às condicionantes climáticas.

 Quanto a característica térmica “leve” se aplica a inercia térmica dos elementos e “isolada” se aplica a necessidade da utilização de materiais isolantes térmicos acoplados à estrutura da cobertura proporcionando maior refletância e menor transmissividade de calor para os ambientes internos.

 

Mais interesse nas interferências passivas no conforto térmico dos ambientes?

Assista!

 

  • Share post

Arquiteta e professora de Desenho Arquitetônico na Faculdade Tecnológica INAP de Design de Interiores. Larga experiência no mercado de trabalho com diversos projetos arquitetônicos edificados em BH. Pratica a docência com prazer e dedicação e tem ampliado sua abrangência de conteúdos no EAD - Ensino a Distancia - nas disciplinas de Conforto ambiental, Núcleo de Projeto e outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *