FATORES BIOCLIMÁTICOS – APROVEITAMENTO EFICIENTE DOS CONDICIONANTES NATURAIS VISANDO A SUSTENTABILIDADE DAS EDIFICAÇÕES – RADIAÇÃO SOLAR

O profissional que projeta edificações e ambientes precisa conhecer bem, as variáveis climáticas, ambientais e energéticas particulares da localização em questão.

 

A norma da ABNT – CB – Projeto 02:135.02-001:2003 sobre ILUMINAÇÂO NATURAL – Conceitos Básicos e definições está disponível para quem se interessar.

 

Intensos estudos na observação e pesquisa são realizados em diversos países, no alcance de um inteligente e eficiente conforto ambiental sustentável, com o propósito da redução do consumo de energia, procura-se explorar, ao máximo, o aproveitamento da iluminação e ventilação natural utilizando materiais térmicos e controles térmicos naturais. Estes últimos recursos serão abordados em outros posts, a seguir.

Em arquitetura e design de interiores os projetos, quando consideram os fatores bioclimáticos, buscam o aproveitamento destes condicionantes naturais em todos os aspectos, incluindo a topografia, tipo de solo, tipo de entorno, vegetação dominante umidade relativa do ar e regime de chuvas com o objetivo de se tornarem edificações sustentáveis.

 

O aspecto a ser considerado neste post dentro dos recursos na busca pelo conforto de um ambiente é a incidência dos raios solares através do posicionamento ideal de suas aberturas – janelas e portas. A iluminação natural proporciona boa luminosidade dentro do ambiente durante o dia, de forma controlar o consumo de energia com iluminação artificial, neste período.

 

Devido à grande extensão do nosso país, as situações corriqueiras que nos deparamos no dia a dia da prática de projetos de Design de Interiores e Ambientes são edificações que se encontram em regiões de clima quente e outras situadas em regiões de clima frio e algumas ainda, em clima temperado.

 

Para entendermos melhor precisamos nos lembrar dos estudos básicos de geografia, quanto a localização do Brasil. Cortado pela Linha do Equador em seu extremo norte, sua extensa área está situada no hemisfério sul. e por estar localizado à oeste do Meridiano de Greenwich também se situa no hemisfério ocidental.

 

De modo que é constatado uma considerável variedade climática e de ecossistemas,  pois 92% do território brasileiro se encontra na Zona Climática Tropical ou Intertropical; os 8% restantes, estão ao Sul do Trópico de Capricórnio e estão inseridos na Zona Climática Temperada do Hemisfério Sul.

(fonte da imagem)

As estações do ano são resultado do movimento de translação da terra em sua órbita em torno do sol, e seu movimento de rotação girando em um eixo sobre si mesma com uma inclinação de aproximados 23° fazendo com que os diferentes hemisférios sejam expostos de maneira diferente durante o ano e esta diferença na intensidade e concentração dos raios faz com que ocorram as estações do ano identificadas através dos fenômenos “equinócios” e “solstícios”.

 

(fonte da imagem)

Para que se possa aproveitar o máximo desta luz natural o profissional deve conhecer o movimento aparente do sol naquela região específica, podendo visualizar duas situações: a posição do Sol no horizonte e o trajeto dele ao longo do céu que se resume apenas na forma como a terra recebe os raios solares.

 

Percebe-se então, que o movimento aparente do Sol se dá de Sudeste a Noroeste, e a face norte, das nossas edificações, é a que recebe a maior parte da insolação diária. Simplificando, a face leste, nascente, recebe o sol da manhã, a oeste, poente, recebe o sol da tarde e a face sul é sobre a qual incide menor quantidade de raios solares apresentando pequenas variações.

 

A observação da incidência solar deve ser fator determinante na definição da disposição dos ambientes da edificação e suas aberturas, portas e janelas, assim como suas dimensões.

 

Em regiões mais quentes as salas de estar, de jantar e quartos devem ter suas aberturas voltadas para o leste, nascente ou oeste sendo que a incidência da tarde é mais prolongada. Já em climas frios estes mesmos cômodos deveriam estar voltados para o norte pois terão incidência de sol durante quase todo o dia.

 

Os outros cômodos mesmo sendo de curta permanência deverão ser projetados de forma a receberem os benefícios da luz natural, portanto deve-se evitar sempre que possível aberturas para o sul devido sua pequena incidência solar.

 

(fonte da imagem)

Outro aspecto do conforto ambiental é o sombreamento que, quando for necessário, a edificação poderá receber elementos externos de proteção solar e a disposição destes elementos deverá ser orientada pelo estudo do movimento aparente do sol, podendo ser brises, marquises, toldos e outros.

 

Não se poderia deixar de falar sobre o recurso das placas solares fotovoltaicas para geração de energia solar, muito apropriada para nossa região e ainda pouco exploradas devido ao seu alto custo.

 

Neste vídeo outros aspectos serão esclarecidos.

Caros leitores, cometi um erro grave, e quero deixar registrado que o Título “Ensolação” é uma palavra que não existe em português. A incidência solar sobre um objeto denomina-se “Insolação”. Desculpem!

 

  • Share post

Arquiteta e professora de Desenho Arquitetônico na Faculdade Tecnológica INAP de Design de Interiores. Larga experiência no mercado de trabalho com diversos projetos arquitetônicos edificados em BH. Pratica a docência com prazer e dedicação e tem ampliado sua abrangência de conteúdos no EAD - Ensino a Distancia - nas disciplinas de Conforto ambiental, Núcleo de Projeto e outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *