Teto: recurso decorativo e destaque na iluminação.

Em um Projeto de Design de ambiente todos os elementos da edificação devem ser pensados e estudados em função de uma decoração abrangente, harmônica ou contrastante, mas sempre funcional.

 

Uma vez definido o piso, as paredes, as aberturas e o layout, então a iluminação que proporciona claridade e realce merece um projeto específico com seus pontos de comando estratégicos para cada finalidade proposta. Um estudo mais detalhado sobre iluminação e luminância nos ambientes, por se tratar de um assunto pertinente, será feito em um post inserido em “Conforto Ambiental”, neste mesmo blog.

 

Daí a importância que é dada ao teto, pois é dele que emana a maior parte da luminosidade no ambiente. Entretanto, um teto simples não proporcionará itens diferenciados ao passo que um teto rebaixado ou com recursos de rebaixamento proporcionará uma iluminação personalizada.

 

As edificações que não possuem laje de forro sendo cobertas diretamente com o telhado precisam de um forro de acabamento que acompanha a inclinação do telhado tirando partido destes detalhes no projeto de design ou simplesmente horizontal, isolando a cobertura, nestes dois casos, a escolha do material evitará desgastes e deterioração, pois necessitam ser impermeáveis.

Na verdade todo telhado vaza, mais cedo ou mais tarde

algumas goteiras aparecem devido às intempéries, dilatações

das telhas, direção dos ventos durante as chuvas e etc.

 

As edificações lajeadas, quando o pé direito do ambiente não favorece o rebaixamento do teto 

alguns recursos podem ser usados como: as molduras, as sancas com pontos de luz embutidos com iluminação direta ou indireta no ambiente ou com plafons direcionados além da iluminação central.

 E arandelas, se for o caso, iluminação

nas paredes.

 

 

 

Todavia um ambiente com um “pé direito “que permita um rebaixamento mínimo que seja já proporcionará recursos muito interessantes. Não se deve rebaixar um teto de forma que o “pé direito” final do ambiente fique menor que 2,50m, porque trará desconforto.

 

O rebaixamento de teto por meio de um forro pode camuflar os defeitos da laje, e embutir cabeamentos elétricos, tubos de ar condicionado, tubulação hidráulica, caixas de som e câmeras e outros.

 

Pois é, aposto que na mente dos leitores se formou a imagem do “gesso” como material para este fim, na verdade é o mais comum. E não é que existem vários materiais de diversas texturas que se prestam a agregar efeitos diferenciados com a mesma finalidade. A escolha do material influenciará diretamente no conforto termo acústico do ambiente.

 

Madeira (lambris), tecido, bambu (esteiras), PVC (poli cloreto de vinila), placas cimentícias impermeabilizadas, isopor expandido ou poliuretano (placas), gesso (placas), drywall (gesso acartonado) e painéis de pvc modulado, gesso acartonado, forro de fibra mineral, forro boreal em lã de vidro revestida em PVC micro perfurado e metálicos e outros novos materiais, pois a cada dia são lançados no mercado.

 

Os tipos de técnica da colocação do forro é:

– Estruturado e fixo, quando tem sua fixação feita por meio de parafusos de uma ou mais chapas em estruturas de aço galvanizado, suspensa por meio de pendurais.

– Perfurado quando semelhante a estrutura anterior, tem o uso de chapas perfuradas.

– Aramado quando suspenso por arame de aço galvanizado.

– Removível quando forro é composto por uma só camada de chapas, que podem ser removidas

para acesso às instalações embutidas. Ou estrutura de madeira recobertos com tecido.

E outras técnicas dependendo do material escolhido.

 

É importante que sejam previstas as juntas de dilatação, para evitar trincas entre o forro e as paredes. Denominadas “tabicas”, estas juntas ajustam o forro ao ambiente com relação à dilatação, movimentação dos elementos construtivos e trepidações externas.

 

O vídeo, a seguir, trará mais esclarecimentos deste recurso “Rebaixamento de Teto “em Projetos de Design e Ambientes.

 

  • Share post

Arquiteta e professora de Desenho Arquitetônico na Faculdade Tecnológica INAP de Design de Interiores. Larga experiência no mercado de trabalho com diversos projetos arquitetônicos edificados em BH. Pratica a docência com prazer e dedicação e tem ampliado sua abrangência de conteúdos no EAD - Ensino a Distancia - nas disciplinas de Conforto ambiental, Núcleo de Projeto e outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *